A emoção tem demonstrado ser um grande calcanhar de Aquiles, na experiência de um Ser Humano!

A expressão calcanhar de Aquiles refere – se ao ponto fraco, vulnerável de um Ser Humano, o qual não possui um domínio necessário para determinas situações.

Essa expressão popular tem conexão com as emoções Humanas, pois, a grande maioria da Humanidade não consegue lidar, muito bem, com suas emoções.

A emoção – que é apenas mal compreensão do indivíduo perante uma situação ou, atitude de outra pessoa, externa a ele – tem representado uma verdadeira escalada ao Everest ou, a montanha K2, como preferir. Ambas têm seus desafios característicos.

Uma das razões primordiais, na instalação desse desafio, na vida da maioria dos Seres Humanos, deve – se ao estilo de vida em que a Humanidade tem vivido, especialmente nos últimos séculos.

Nos séculos anteriores ao atual, esse estilo de vida foi se instaurando de forma muito lenta. Por essa razão, as mudanças, no comportamento do Humano, quase eram imperceptíveis.

Contudo, foi no final do século XX e, em especial, no Século XXI, que esse novo estilo de vida do Humano se instaurou, agressivamente.

A Humanidade tem apresentado um estilo de vida na valorização, extrema, à racionalidade, à mente, ao cumprimento de objetivos, ao masculino (não do gênero Homem, mas das características da personalidade masculina – execução de metas; objetividade, razão).

Essa valorização extrema, ao masculino, gerou algumas consequências nas experiências Humanas e, afetou, drasticamente, as emoções vivenciadas pelos Humanos.

Dentre muitas consequências, essa valorização no cumprimento de metas para tudo – não só no ambiente de trabalho, mas, no ambiente familiar, social, amoroso – fez o Humano focar sua atenção no executar, na mente.

Isto é, a maior parte do tempo, na experiência do Humano, é dedicada aos seus afazeres e, obrigações, inclusive as subentendidas no inconsciente coletivo.

Assim, a supervalorização da mente transformou o Humano em uma máquina ou, como quiser, em um zumbi.

Tanto a máquina quanto o zumbi, ambos, têm uma característica em comum, ou seja, ambos são apenas matéria sem alma! Sem Divino! Sem existência! Apenas uma matéria ambulante.

O grande efeito, preocupante, de tudo isso, não é a utilização da mente para cumprir alguns objetivos. Afinal, o masculino é parte integrante da personalidade de qualquer Humano.

O grande efeito, preocupante, de tudo isso, é a perda da outra parte, a qual também é integrante da personalidade de qualquer Ser Humano, ou seja, o feminino (não nos referimos ao gênero Mulher, mas à personalidade feminina).

A subjetividade, a intuição, os sentimentos, o planejamento, as emoções estão todas dentro da personalidade feminina, a qual é incondicional a todos os Seres Humanos – tanto do gênero Homem, quanto do gênero Mulher.

Portanto, a supervalorização da objetividade, masculino, nos dias de hoje, resultou em um sufocamento, agressivo, às nossas emoções, aos nossos sentimentos, à nossa alma, à nossa essência, ao nosso feminino.

Por força desse desequilíbrio, gerou, na Humanidade, uma desesperança coletiva.

Por força desse desequilibro, o Ser Humano, tem sofrido muito com a ansiedade, em todos os aspectos de sua vida.

Por força desse desequilíbrio, o Ser Humano tornou – se extremamente intolerante, com pessoas desconhecidas, com grupos diferentes do seu e, inclusive, com pessoas conhecidas e amadas.

Por força desse desequilíbrio, o Ego do Ser Humano, hoje, vive no apogeu da experiência Humana.

Dentro de todo esse cenário, presente nos dias de hoje, as emoções do Ser Humano não recebem a devida atenção.

Como a natureza é sábia, essas emoções, essas mal compreensões, após tomar uma proporção significativa dentro do indivíduo, se expressam através do corpo físico do Humano.

Dessa expressão das emoções sobre o corpo do Humano, as quais servem apenas como um alerta, geram doenças – física, mental e, inclusive, espiritual.

Nesse ponto, o indivíduo toma consciência de que algo não está cheirando bem. Algo está errado com ele.

Com a tomada de consciência, o indivíduo, dentro do seu livre arbítrio, escolherá um caminho para seguir.

Portanto, as emoções não são vilãs. As emoções fazem parte do Humano.

O que torna o calcanhar de Aquiles, ao Humano, não são as emoções.

O que torna o calcanhar de Aquiles, ao Ser Humano, é sua inconsciência sobre si mesmo, por força da supervalorização da mente, em face do coração – de sua alma – de sua essência.

Tudo faz parte de uma grande experiência. Assim, volte a olhar para dentro de você, por quem você verdadeiramente é.

Isto é, permita diminuir sua frequência mental e, dê espaço ao seu coração, na verdade, à sua alma, ao Amor.

Lembre–se, você vive em um corpo limitado, mas sua alma é infinita! Gratidão!

Momento do Pensamento

“Pensamos com o nosso corpo e com as nossas emoções, não existindo razão pura.” (António Damásio). Fonte: DAMÁSIO, António. O Sentimento de Si. Temas & Debates, 2013, 444 páginas. Site: www.frasesdepensadores.com.br

Compartilhe com seus amigos

2 Respostas para COMPREENDENDO OU DESCOMPREENDENDO AS EMOÇÕES

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Newsletter
Translate Site
Nossos seguidores
Visitantes do Site

Arquivos