Apesar das histórias sobre Vampiros terem sido, inúmeras vezes, temas de histórias em quadrinhos e filmes, nosso encontro não falará sobre ficção, mas sobre as histórias de vampiros no mundo em que vivemos.

Hoje, conversaremos sobre o verdadeiro vampiro.

Ao imaginar um vampiro, lembramos, de forma natural, sobre as histórias de ficções, nas quais, um determinado tipo de indivíduo, por não conseguir viver diante do sol, tem uma vida noturna. Portanto, é um indivíduo que vive em um mundo de escuridão, sombras e, se alimenta de sangue de outras pessoas ou animais. No geral, essas são as características retratadas dos vampiros, na ficção.

Agora, vamos transportar as histórias, sobre os vampiros, da ficção para o mundo em que vivemos.

De uma certa forma, a ficção retratou um indivíduo que realmente existe no mundo em que vivemos, mas não é um indivíduo que se alimenta de sangue, porém, se alimenta de energia.

Não é um indivíduo que só tem vida noturna, por não suportar a luz do sol. É um indivíduo que vive, energeticamente, nas sombras, na escuridão.

O nome vampiro, no mundo em que vivemos, dar – se – á por força do roubo energético pelo vampiro sobre outros indivíduos. Isto é, todos os Humanos necessitam de energia, ou seja, necessitam de energia cósmica para manterem seu equilíbrio vital e, assim, realizarem suas atividades diárias, viverem suas experiências.

Em regra, quando o indivíduo tem consciência da verdadeira fonte energética, esse indivíduo se alimenta da própria fonte. Dizemos que é um Ser Humano mais consciente de sua condição e, dentro do processo evolutivo, em que todos nós vivemos, esse Ser Humano sabe que tem conexão direta com a fonte. Portanto, não necessita captar a energia de outrem.

Contudo, a grande maioria dos Seres Humanos, hoje, desconhecem a verdadeira fonte.

Dentro dos seus processos evolutivos, a grande maioria dos Seres Humanos estão muito conectados com as questões materiais; valorizando, em demasia, o seu lado Humano. Por conseguinte, ao observar sua alma, esses indivíduos têm muitas dificuldades, por enquanto, de compreenderem como a vida, verdadeiramente, funciona.

Assim, são indivíduos que subutilizam sua divindade, sua fé, seu acreditar, sua intuição. Enfim, o lado que os conectam com seu Ser Divino. Pura consciência!

Dentro desse grupo, chamado vampiro, há alguns comportamentos muito comuns. Destacaremos dois deles, abaixo.

Alguns vampiros têm um comportamento, uma atitude de vitimização perante a vida. Isto é, para captar a energia do outro, esse vampiro, transmite, para as pessoas e circunstâncias, uma mensagem de fragilidade.

Essa fragilidade não é só para conquistar algo factível – ele se posiciona como incapaz de conquistar qualquer coisa sozinho.

Essa fragilidade também se manifesta perante as pessoas. Assim, a mensagem que ele transmite é – coitado de mim; tenha dó de mim; sou incapaz de conseguir sem você; preciso de sua ajuda, constantemente.

Essa característica – vítima – o vampiro, ao exerce – la perante as pessoas e circunstâncias, capta, rouba a energia do outro, simplesmente, por gerar, no outro, uma atitude mais ativa de doação.

Com esse comportamento, o vampiro gera no outro uma emoção de dó para com ele, a qual é oposta a doação altruística.

Assim, o outro, envolvido nessa emoção de dó pelo vampiro, ajuda – o mais do que poderia, naquele momento, isto é, doa sua energia mais do que poderia, naquele momento.

A consequência dessa relação é o desgaste do doador – o que, muitas vezes, acaba se auto prejudicando em seus projetos (seja no trabalho, no elo familiar, amizades, colegas, sonhos), pois gastou uma energia que era fundamental para ele se manter em equilibrio (o doador percebe esse desgaste energético através de um cansaço repentino; uma irritabilidade em seu humor, sem nada ter acontecido, aparentemente).

Essa energia doada não foi baseada em uma atitude altruística, compassiva. Daí, porque gerou um grande desgaste e, não uma força, uma alegria substancial por ter ajudado alguém. Isso tudo porque a doação deu – se com base na emoção de dó pelo vampiro. O doador não percebeu que estava envolvido na captação energética.

O vampiro, nessa relação, momentaneamente, até o seu próximo ato, se sente super bem, super feliz. Ele recebe uma explosão energética, a qual o deixa nesse estado de felicidade. Tudo momentâneo.

O cerne da relação, com o vampiro vítima, é a transferência da auto responsabilidade, de sua própria vida e de seus sonhos, ao outro, ao mundo. Esse vampiro culpa a todos, com a vitimização, por tudo o que acontece em sua vida! Ele não consegue visualizar que ele é auto responsável, plenamente, por tudo o que acontece em sua vida! Maestria!

Uma outra característica, de vampiros, é o agressor.

O vampiro agressor tem uma postura de dominar, controlar as situações e pessoas que aparecem em seu caminho.

As justificativas são muitas – desde uma garantia à segurança individual ou coletiva do grupo (seja cidade, país, família), até uma evolução do indivíduo ou do grupo, assumindo o comando.

O roubo energético, pelo vampiro agressor, dar – se – á pela submissão do agredido à sua dominação.

O vampiro agressor quer controlar absolutamente tudo, inclusive – aqui está o ponto central do roubo energético – a vida do outro, a forma de pensar do outro, a forma de agir do outro, a forma de viver do outro. Esse tipo de vampiro, não consegue visualizar um mundo diferente à sua própria visão.

A agressão desse tipo de vampiro, com o passar do tempo, é devastador para as vítimas. Depois de um certo tempo – as vezes em um pequeno espaço de tempo – o agredido não consegue reagir, nem pensar de forma diferente do agressor. O agredido sente tão fragilizado que acaba perdendo o contato com sua alma. Vira apenas um corpo físico.

Muitos indagam sobre essas atitudes vampirescas. Porque esses indivíduos não mudam; não agem de forma diferente.

Temos que entender que, nós, Almas Divinas em corpos Humanos, vivemos muitas experiências. Cada experiência gera um ou mais aprendizados. Tudo faz parte de um processo evolutivo.

Assim, o vampiro, como qualquer Ser Humano, necessita dessa energia vital. Na verdade, o seu corpo necessita dessa energia vital. E, por força desse processo evolutivo, das experiências vividas, para os vampiros, ainda não houve a tomada de consciência que a conexão com a fonte está dentro dele mesmo. A fonte Universal está dentro de todos nós, pois somos Almas Divinas.

Contudo, para se conectar com essa fonte é necessário ativar, individualmente, o coração humano – a bondade humana – a compaixão! Para isso, é necessário voltar a olhar para dentro de si mesmo e – ao diminuir a frequência mental, os pensamentos – ouvir a voz de sua alma através de insights, intuições, explosões – sem qualquer razão, de alegria.  A proximidade com a natureza, ajuda muito nessa conexão!

Os vampiros são pessoas como qualquer Ser Humano, porém, com um grau evolutivo dentro de suas próprias experiências.

Portanto, não cabe julgamentos sobre os vampiros, pois, dependendo de suas experiências, hoje, você pode não ser um vampiro, mas, em algum momento de sua trajetória, você vivenciou a experiência de um vampiro.

No fundo, todos os vampiros desejam a Luz! Necessitam da Luz, como qualquer um na condição Humana.

Assim, tenhamos compaixão para com um vampiro, pois ali está uma alma dentro de seu processo evolutivo. Isso é apenas uma experiência. Nada mais! Gratidão!

 

Momento do Pensamento 

“A sombra não existe, o que você chama de sombra é a luz que não se vê” (Henri Barbusse). Fonte: BUCHBAUM, Paulo. Frases Geniais que Você Gostaria de Ter Dito. Ediouro Publicações, 2004. Página 22. Site: www.frasesdepensadores.com.br.

Compartilhe com seus amigos

8 Respostas para VAMPIRO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Newsletter
Translate Site
Nossos seguidores
Visitantes do Site

Arquivos